TOC - Teoria das Restrições

A Teoria das Restrições (Theory of Constraints, TOC, em inglês) é um paradigma de gestão popularizado por Eliyahu Goldratt, autor do célebre livro "The Goal", editado em 1984. De acordo com a TOC, qualquer sistema está limitado, no seu objetivo (output), por pelo menos uma restrição. Assim, somente otimizando o fluxo através da restrição se pode aumentar o output do sistema. A TOC usa um processo sistemático para conseguir esta otimização, cujas etapas são: Identificar a restrição. Explorar a restrição, garantindo a utilização de toda a sua capacidade. Subordinar o restante sistema à exploração da restrição. Elevar a restrição, aumentando a sua capacidade efetiva. Caso a restrição tenha sido eliminada, voltar à 1ª etapa para identificar a nova restrição. Para explorar a restrição e lhe subordinar o restante sistema, a TOC socorre-se da metodologia Drum-Buffer-Rope. Esta metodologia de sincronização da produção visa manter o nível de stock controlado. Drum (tambor) refere-se à restrição física, ou seja ao processo (produtivo) que limita o output de todo o sistema. A cadência da restrição define o output de todo o sistema. A restrição tem de ser protegida, garantindo-se que não é afetada por falta de materais ou por outros incidentes. Buffer (amortecedor, colchão) refere-se ao nível de stock de material que protege a restrição de problemas ocorridos noutros processos e que permite manter uma produção estável. É normalmente expresso em tempo de consumo (horas). Rope (corda) refere-se ao sinal indicando que uma dada quantidade de stock foi consumida pela restrição. Este sinal despoleta o lançamento de uma ordem de execução para reposição da quantidade consumida, garantindo a alimentação da restrição, mantendo o nível de stock controlado. A aplicação da TOC, iniciada na indústria, tem vindo a estender-se a outros setores de atividade.

©2020 Actio Lean Consulting.